sexta-feira, 30 de maio de 2008

Quem és tu que vens e te cruzas no caminho
Que percorro - diz lá
Diz-me porque foi que os meus olhos te fixaram
E o meu dia se alegrou

E uma certeza serena toma conta de mim.
E na leveza do que és, do que dás
Eu encontro respostas e respondido está

Faz-me vibrar ver que sonhas e aceitas desafios...
Desafios de amor
De quem caminha e quer viver

Se o teu sorrir é o teu sentir de agora,
Deixa-te ir, faz-te partir - É hora!
Solta o segredo que te faz sonhar
Canta sem medo o que te faz amar

O que tu és sempre a teus pés te serve
E quem te vê sente de ti beleza
Canto a amizade que recebo de ti
Saio mais rica porque te conheci

E agora que vais, eu pergunto o que levaste
Desta louca visão
Louca de amor que, do alto, nos envolve
E nos colhe o coração

Já não quero mais do que ver-te
Um pouquito mais feliz
Por saberes que Alguém te quis, te amou
E que, com Ele, tantos outros te amam
E lá no meio eu estou

Vai, acredita que é tão rica a tua vida e aceita
Desafios de amor
De quem caminha e quer viver

Se o teu sorrir é o teu sentir de agora,
Deixa-te ir, faz-te parir - É hora!
Solta o segredo que te faz sonhar,
Canta sem medo o que te faz amar

Se por sentires, queres sorrir, não temas
Dá o que tens, nada há melhor, não pares
Quando tu tocas mais fundo de ti
Tocas também nesse Deu que é, enfim,
Por ti.


Parece um poema de Amor? E é. Daquele Amor puro, que tão poucas vezes acontece de verdade, que vem de Deus e a que o nosso querido São Paulo chama caridade. Sabes qual é, não sabes? Esse mesmo, o da Amizade! Verdadeira e infinita. Como esta que partilhamos há 5 anos como quem partilha desde outra vida. Esta amizade que é apoio, que é divertimento, que é crescimento em conjunto, que é partilha de valores, de crenças, de conhecimentos, de sorrisos e contratempos, de momentos inesquecíveis! Completa, não? Muito! Completada? Nunca. Porque nos continuamos a descobrir a cada conversa. Incompreensível? Talvez. Para quem não saiba o verdadeiro valor da Amizade e a pureza que pode caber num Amor destes, sem espaço para confusões. Não quero escrever muito para não cair em banalidades, porque somos tudo menos isso. Então, muito obrigada! Nunca te percas de quem és. E que nunca nos percamos do que somos juntos. Aqui, na Noruega ou no fim do Mundo... ;)
Beijinho grande e muitas, muitas, muitas saudades!
[Carta aberta a Sua Alteza Marquês João Diogo de Jesus, por ocasião do 21º aniversário! xD]

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Estrad(inha adiante!)a

Meu amor
Não quero mais palavras rasgadas
Nem o tempo
Cheio de pedaços de nada
Não me dês
Sentidos para chegar ao fim
Meu amor
Só quero ser feliz

Meu amor
Não quero mais razões para apagar
O que nasce
E renasce e nos faz acordar
A loucura faz medo se for medo o teu chão
Mas é ar e é terra
Dentro do coração
É ar e é terra dentro do coração

Meu amor
Não quero mais silêncio escondido
Nem a dor
Do que cai em cada gesto ferido
Quero janelas abertas
E o sol a entrar
Quero o mundo inteiro
Dentro do teu olhar
Eu quero o mundo inteiro
Dentro do teu olhar

E hoje, vê
A estrada é feita para seguir
E hoje, sente
A vida feita de sentir
E hoje vira do avesso o mundo
E vê melhor
Deste lado é mais puro
É teu
É tão maior
Deste lado é mais puro... É meu... É tão maior



É isso aí...

domingo, 4 de maio de 2008

Fecha os olhos e estende a mão...

Houve vários motivos que me levaram a escrever este texto.


1º Aqui por cobardia. Não sei porque raio mas a verdade é que é mais fácil escrever num sítio a que toda a gente, conhecida ou desconhecida, com ou sem o meu conhecimento ou consentimento, tem acesso do que dar-te uma carta ou um postal para leres à minha frente.


2º Porque quando vi o postal que te dei, me lembrei imediatamente de ti e o texto começou a fluir na minha cabeça e porque houve uma proposta de trabalho de Psicologia Positiva, que sugeria que escrevêssemos uma carta de gratidão a alguém, que me inspirou a fazê-lo.


3º Hoje, porque por mais que continue a dizer que não é só neste dia que te agradeço tudo o que me dás, é mais fácil fazê-lo quando há um "pretexto" para isso...



Escrevo este texto porque sempre estiveste de mãos estendidas para mim. E hoje quero que estendas a mão e recebas. Porque as tuas mãos sempre estiveram habituadas a dar e quase nunca a receber. Essas mãos que sempre estiveram estendidas para mim. Essas mãos onde nunca me faltou amor, dedicação e tudo o que sempre precisei para ser quem sou. Essas mãos que são, indiscutivelmente, não apenas mãos de mãe mas também de amiga. Essas mãos que eu sei que nunca me vão faltar, haja o que houver. Essas mãos que sempre lutaram para me ver triunfar. Essas mãos que me ensinam a viver. Essas mãos que eu sempre achei bonitas e que agora dizes estarem a ficar velhas, mas que eu quero muito ver envelhecer. Essas mãos que sempre me ampararam as quedas. Essas mãos que fingiam ter passarinhos para eu espreitar. Essas mãos onde já com 1,68m continuo a caber inteira. Essas mãos que sempre se mantiveram abertas para mim quando tantas outras mãos do mundo se pareciam fechar. Essas mãos que cozinham para mim todos os dias com tanto gosto e como eu tanto gosto. Essas mãos que pegavam na minha para atravessar a estrada. Essas mãos que me deram os 'calmantes' certos no momento certo. Essas mãos que às vezes, por tanto me quererem, se fecham sobre a minha, sem se lembrar de lhe dar espaço para crescer. Essas mãos que me limpam as lágrimas vezes sem conta. Essas mãos a que devo grande parte do que sou.

A essas mãos quero fazer chegar o mesmo amor, dedicação, carinho, segurança, apoio e companheirismo com que sempre me suportaram. E por isso hoje digo, fecha os olhos, estende a mão e está disposta a receber como sempre estiveste disposta a dar. A minha fica assim, estendida, pronta para te acolher. E nestas flores recebe a minha gratidão pelo exemplo de justiça, honestidade e amor com que me dás a graça de conviver diariamente.



Obrigada! Feliz Dia da Mãe!!! =)